Os 22 locais da casa mais infectados com bactérias e fungos

Sabe a cozinha da sua casa? Acredite ou não, ela é mais suja que seu banheiro! Uma pesquisa feita pelo Mundo Estranho  investigou quais são os lugares do cafofo que escondem o maior número de micróbios prejudiciais à saúde. Mas, antes de mergulhar na intimidade de nossos “chiqueirinhos”, um detalhe importante: não precisa ficar paranoico querendo desinfetar a casa toda, toda hora. Pelo contrário. “Viver num ambiente estéril, sem micro-organismos, não é salutar, pois não reproduz as reais condições da vida fora de casa”, diz o sanitarista Pedro Germano, da Faculdade de Saúde Pública da USP. Além disso, se alguém exterminasse as bactérias maléficas, por tabela eliminaria as benéficas, essenciais em vários sentidos, como para a nossa digestão – não custa lembrar, cerca de 100 trilhões desses germes vivem dentro do seu corpo. Confira quais são os cantos mais asquerosos do lar. Tem muita porcaria escondida onde você menos imagina… Urrgh!

BACTÉRIAS – São as chefes da casa. Apesar de haver várias nocivas por aí, a maioria delas é benéfica para nós.
VÍRUS – Compostos só de material genético dentro de uma capa de proteína, invadem células para se multiplicar.
ÁCAROS – Microscópicos, esses aracnídeos se alimentam de restos de nossa pele e adoram locais como a cama.
FUNGOS – Podem causar alergias e micoses, além de “pré-digerir” restos de pele humana para os ácaros.

1) BOCAL DO TELEFONE
Além da sujeira levada pelas mãos, no bocal do telefone fixo podem se acumular gotículas de saliva com bactérias da boca de quem fala. No caso dos celulares, que largamos em tudo quanto é canto, a situação é ainda pior.

2) MOCHILAS
O fundo das mochilas acumula sujeira do piso do ônibus, do banheiro escolar, e por aí vai. Somem-se a isso os restos de comida, poeira de livros e uns trocados “incubados” lá dentro. Tá feita a porcaria pra ser carregada pra baixo e pra cima… até da mesa de jantar! Bolsas e carteiras “cumprem” o mesmo papel.

3) CONTROLES REMOTOS
Aparelhos em que todos colocam a mão, como o controle remoto da TV, são outros focos de micróbios. Um espirro ou o manuseio do controle por alguém gripado, por exemplo, pode depositar o vírus da influenza ali. Daí, para o próximo desavisado que for assistir à TV se infectar, é um passinho.

4) TAPETES
Tapetes, sofás e bichos de pelúcia – que as crianças adoram arrastar pelo chão – acumulam restos de pele morta e de alimento, que atraem ácaros e insetos lotados de germes. Isso pra não falar da poeira que se junta e pode desencadear reações alérgicas.

5) INTERRUPTORES E MAÇANETAS
As mãos carregam germes de todas as superfícies e objetos que tocam. Com isso, interruptores e maçanetas – que raramente estão na rota da faxina – ficam bem sujos. Pra quem mora em apartamento, pior: os botões do elevador, onde muita gente mete o dedo, são uma podreira só.

pocilga_2

6) TRAVESSEIRO
Travesseiros são um prato cheio para os ácaros. A multiplicação deles é tão rápida que, em seis anos, cerca de 10% do seu travesseiro é composto de ácaros – em dez anos, a população de sujeitos simpáticos como este ao lado é de 1 bilhão!

7) COLCHÃO
Passamos cerca de oito horas por dia no colchão, onde suamos, babamos e deixamos pedacinhos de pele morta. Se rolar sexo sem proteção – tsc, tsc, tsc – ou ejaculação durante o sono, também se acumula sêmen. Resultado? Um leito fofinho para a “orgia” de milhões de ácaros. E ainda tem a poeira embaixo da cama.

8) CALÇADOS
Qualquer calçado, desde aquele chinelão que você usa pra ir à padaria até o tênis que só vai pra balada, traz a sujeira da rua pra dentro de casa. Se você guarda os itens no guarda-roupa, são grandes os riscos de, por tabela, contaminarem toda a sua roupa.

9) MOUSE E TECLADO DO PC
Mouse e teclado são tocados constantemente pelas mãos – que não se sabe por onde passaram antes. Além disso, restos de lanche ficam depositados entre as teclas, que, para piorar, também acumulam poeira e quase nunca são limpas ou desinfetadas.

10) LIVROS E REVISTAS
Quando guardados em locais escuros e com pouca ventilação, livros e revistas acumulam fungos que, assim como a poeira, são capazes de desencadear reações alérgicas. A poeira acumulada também pode carregar esporos de bactérias nocivas para nós.

 

11) CESTO DE LIXO
Lotado de matéria orgânica, além de servir de repositório de germes, o cesto de lixo é um grande atrativo para ratos e baratas. Se o cestinho fica sobre a pia então, é nojeira na certa. O ideal é mantê-lo no chão – e melhor ainda se ele tiver pedal de acionamento.

12) MÁQUINA DE LAVAR
Cuecas e calcinhas sujas podem servir de veículo para coliformes fecais – bactérias Escherichia coli presentes nas fezes –, transformando o cesto de roupas e a máquina numa porqueira daquelas. Por isso, roupas de baixo devem ser lavadas separadamente. Uma lavagem com água sanitária ajuda a desinfetar a máquina.

13) TÁBUA DE CORTAR CARNE
A tábua de corte – que, mal lavada, junta sujeira em suas ranhuras – é uma das grandes vilãs da cozinha, podendo conter tantos germes quanto uma privada! Encontradas em alguns alimentos estragados, bactérias como a Salmonella enteritidis, por exemplo, podem contaminar outros rangos preparados na mesma superfície.

14) PIA DE COZINHA
Além do ralo e da cuba, o balcão da pia, que também acumula água e restos orgânicos, é bem trash. Outro elemento mais discreto – mas não menos sujo – é o registro da torneira: ele chega a acumular o dobro de bactérias em comparação com uma torneira de banheiro.

15) RALO DA PIA
Como detergente não mata bactérias – serve só para retirar a gordura das superfícies –, a pia acumula os micróbios presentes em restos orgânicos do preparo de alimentos e da limpeza de louça. O ralo concentra essas sobras em meio à umidade, formando um limo que serve de abrigo e comida para altas muvucas de germes.

16) ESPONJA DE LAVAR LOUÇA
A esponja é o local preferido das bactérias por estar sempre úmida e com gordura e restos de alimentos, prato cheio para esses germes. Se ela não for desinfetada periodicamente com cloro, “lavar” a louça passa a ser apenas uma transferência de micróbios da esponja para copos, pratos e talheres.

17) PUXADOR DA GELADEIRA
Após manipular alimentos contaminados com bactérias, as mãos do cozinheiro podem tocar em toda parte, como o puxador da porta da geladeira, deixando os micro-organismos à vontade para migrar para as mãos de alguém que queira beber uma água gelada ou checar se o rango está pronto no forno.

pocilga_5

18) PIA DO BANHEIRO
Sabe aquela famosa placa que se acumula nos dentes mal escovados? Algo semelhante, chamado de biofilme, aparece nas pias que passam muito tempo sem ser lavadas. As bactérias se acumulam até formar uma colônia asquerosa que adere à superfície.

19) ESCOVA DE DENTES
Ao darmos descarga com a tampa aberta, voam gotículas invisíveis de água melequenta que infectam tudo o que está descoberto e próximo à privada. Por exemplo, os objetos que ficam sobre o balcão da pia, como – eca! – as escovas de dentes! Não à toa, recomenda-se que elas fiquem tampadas ou a pelo menos 2 metros do vaso.

20) ESCOVA DE DENTES (PARTE 2)
Mesmo que a escova fique tampada, ela pode acumular germes da flora bucal, como o Streptococcus mutans, causador de cáries. Se o cara é mais descuidado, até restos de alimento se juntam e, com o tempo, formam um limo verdinho parecido com aquele do ralo na pia da cozinha…

21) TOALHAS
Toalhas de rosto e de banho acumulam resíduos de pele morta e, ainda, sujeira de quem não se lavou direito. Outro problema é o acúmulo de fungos, como o Candida albicans, causador de micoses, que adoram viver no aconchego das toalhas permanentemente úmidas.

22) VASO SANITÁRIO
Não tem zebra: o vaso sanitário é, disparado, o ponto da casa com maior concentração de germes. As 480 mil bactérias que se espremem em cada centímetro quadrado da privada vêm de dentro de você, e só pelo cocô. A urina masculina não tem bactérias e a feminina só um pouquinho, que o xixi pega ao sair pela vagina.

 

FONTES: Estudos do professor Charles Gerba, microbiologista da Universidade do Arizona (EUA) e pesquisa do Hygiene Council, nos EUA (dados sobre concentração bacteriana); pesquisa da Universidade de Kingston, em Londres (concentração de ácaros)